Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘maio’

Comunicado de Imprensa

23.05.2011

‘Acampamento do Rossio cresce e não arreda pé’

O acampamento que teve início na quinta-feira no Consulado Espanhol e que se mudou para o Largo do Rossio na sexta-feira não baixa os braços e avisa: “Isto é só o início. As ruas são nossas.”

Ontem, domingo, às 18h, realizou-se no local a 4ª assembleia popular com mais de 500 pessoas.

Depois de um vivo debate a assembleia decidiu:

– aprovar uma primeira versão escrita do manifesto;

– apoiar a manifestação que acontecerá no próximo sábado dia 28 de Maio, a terminar no Rossio e apelar à participação de toda a gente, divulgando o nosso primeiro manifesto;

– continuar a acampar no Rossio e realizar aí uma nova assembleia popular, hoje, dia 23 de Maio, às 19h, que será precedida por um período de “megafone aberto” em que todas as pessoas podem livremente tomar a palavra;

– prosseguir o trabalho desenvolvido nos vários grupos de acção, comunicação e de organização de forma a continuar o acampamento e apelar à participação cada vez maior de cidadãos e cidadãs nele e nas iniciativas que promovemos.

Read Full Post »

Este Manifesto encontra-se em processo de elaboração e aberto a propostas. Não é um documento definitivo. 

1º Manifesto do Rossio

Os manifestantes, reunidos na Praça do Rossio, conscientes de que esta é uma acção em marcha e de resistência, acordaram declarar o seguinte:

Nós, cidadãos e cidadãs, mulheres e homens, trabalhadores, trabalhadoras, migrantes, estudantes, pessoas desempregadas, reformadas, unidas pela indignação perante a situação política e social sufocante que nos recusamos a aceitar como inevitável, ocupámos as nossas ruas. Juntamo-nos assim àqueles que pelo mundo fora lutam hoje pelos seus direitos frente à opressão constante do sistema económico-financeiro vigente.

De Reiquiavique ao Cairo, de Wisconsin a Madrid, uma onda popular varre o mundo. Sobre ela, o silêncio e a desinformação da comunicação social, que não questiona as injustiças permanentes em todos os países, mas apenas proclama serem inevitáveis a austeridade, o fim dos direitos, o funeral da democracia.

A democracia real não existirá enquanto o mundo for gerido por uma ditadura financeira. O resgate assinado nas nossas costas com o FMI e UE sequestrou a democracia e as nossas vidas. Nos países em que intervém por todo o mundo, o FMI leva a quedas brutais da esperança média de vida. O FMI mata! Só podemos rejeitá-lo. Rejeitamos que nos cortem salários, pensões e apoios, enquanto os culpados desta crise são poupados e recapitalizados. Porque é que temos de escolher viver entre desemprego e precariedade? Porque é que nos querem tirar os serviços públicos, roubando-nos, através de privatizações, aquilo que pagámos a vida toda? Respondemos que não. Defendemos a retirada do plano da troika. A exemplo de outros países pelo mundo fora, como a Islândia, não aceitaremos hipotecar o presente e o futuro por uma dívida que não é nossa.

Recusamos aceitar o roubo de horizontes para o nosso futuro. Pretendemos assumir o controlo das nossas vidas e intervir efectivamente em todos os processos da vida política, social e económica. Estamos a fazê-lo, hoje, nas assembleias populares reunidas. Apelamos a todas as pessoas que se juntem, nas ruas, nas praças, em cada esquina, sob a sombra de cada estátua, para que, unidas e unidos, possamos mudar de vez as regras viciadas deste jogo.

Isto é só o início. As ruas são nossas.


Read Full Post »

Comunicado de Imprensa:

22.05.2011

‘Praça do Rossio: a morada do povo

Os cidadãos e cidadãs reunidos hoje no Rossio, em Assembleia Popular contra a imposição da austeridade, continuam mobilizados e mantêm a vigília para Domingo e uma nova Assembleia Popular, pelas 18h.

As cerca de 500 pessoas decidiram ainda solidarizar-se com os companheiros do Estado Espanhol que amanhã, Domingo (22 de Maio), irão manifestar-se pelas 12h junto ao Consulado Espanhol em Lisboa.

A Assembleia mantem os grupos de trabalho activos e apela a toda a população que se junte à mesma.

Mantem-se o apelo para que todas as pessoas que possam tragam para o local: comida; cobertores; esponjas para dormir; mesas; loiça; material de limpeza: sacos de lixo, alguidares grandes, panos da loiça; lençõis brancos; caixas para loiça; lona; corda; rolos de fita-cola larga; marcadores; fichas triplas; extensões; rooters; cabos de rede; chapéus de sol ou chuva.

Read Full Post »

Comunicado de Imprensa:

21.05.2011 

‘Não nos deixam sonhar, não os deixaremos dormir!’

Activistas em vigília na Praça do Rossio apelam à participação da população.

Está marcada para hoje, na Praça do Rossio, pelas 22 horas a III Assembleia Popular decorrente da solidariedade internacional que já conta com 548 concentrações espalhadas um pouco por todo o mundo.

Desde quinta-feira que um grupo de cidadãos se vem juntando em frente ao consulado espanhol, em protesto contra a qualidade da democracia, as condições de vida, a precariedade, tendo em vista a reinvenção da política.

Durante esta madrugada foram tomadas as seguintes decisões:

1- Aprovação do manifesto da Puerta del Sol (adaptado para a realidade portuguesa e que segue em anexo);

2- Convocação de vigília permanente;

3- Criação de grupos de trabalho: logística; comunicação e informação; cultura; assessoria jurídica e de segurança; acção directa; manifestações e manifesto.

Os grupos foram criados espontaneamente, reuniram de madrugada e as suas propostas serão apresentadas, debatidas e decididas na Assembleia Popular marcada para as 22 horas de hoje.

Os activistas em vigília aproveitam este comunicado para convidar quem esteja de acordo com o manifesto a juntar-se no Rossio e trazer apoios logísticos como: cobertores, água, cartão, almofadas, esponjas, mesas, sacos de lixo, alguidares, vassouras, chapéus-de-sol, cordas, lonas, lençóis, bens alimentares, material de primeiros-socorros bem como materiais para o estaleiro criativo

MANIFESTO PLURAL

Os reunidos no Rossio, conscientes de que esta é uma acção em marcha e de resistência, acordaram manifestar o seguinte:

1. Depois de muitos anos de apatia, um grupo de cidadãs e cidadãos de diferentes idades e estratos sociais (estudantes, professores, bibliotecários, desempregados, trabalhadores…), REVOLTADOS com a sua falta de representação e com as traições levadas a cabo em nome da democracia, reuniram-se, no Rossio, em torno da ideia de Democracia Verdadeira.

2. A Democracia Verdadeira opõe-se ao paulatino descrédito de instituições que dizem representar os cidadãos, convertidas em meros agentes de administração e gestão, ao serviço das forças do poder financeiro internacional.

3. A democracia promovida a partir dos corruptos aparatos burocráticos é, simplesmente, um conjunto de práticas eleitorais inócuas, em que os cidadãos têm uma participação nula.

4. O descrédito da política trouxe consigo um sequestro das palavras, por parte de quem detém o poder. Devemos recuperar as palavras e dar-lhes significado, para que não se manipule com a linguagem e se deixe a cidadania indefesa e incapaz de uma acção coesa.

5. Os exemplos de manipulação e sequestro da linguagem são numerosos e constituem uma ferramenta de controlo e desinformação.

6. Democracia Verdadeira significa dar nome à infâmia em que vivemos: Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu, NATO, União Europeia, as agências de notação financeira (rating), como a Moody’s e a Standard and Poor’s, o PS, PSD, CDS; contudo, há muitos mais e a nossa obrigação é nomeá-los.

7. É preciso construir um discurso político capaz de criar um novo tecido social, sistematicamente fragilizado por anos de mentiras e corrupção. Nós, cidadãos, perdemos o respeito pelos partidos políticos maioritários, mas isso não significa perder o nosso sentido crítico. Pelo contrário, não tememos a POLÍTICA. Tomar a palavra é POLÍTICA. Procurar alternativas de participação cidadã é POLÍTICA.

8. Uma das nossas premissas principais é devolver à Democracia o seu verdadeiro sentido: um governo dos cidadãos. Uma democracia participativa. E, para além disso, exigimos uma deontologia para os políticos que assegure as boas práticas.

9. Fazemos finca-pé em que os cidadãos aqui reunidos compomos um movimento TRANSGERACIONAL, porque pertencemos a várias gerações condenadas a uma perda intolerável de participação nas decisões políticas que condicionam a sua vida diária e o seu futuro.

10. Não apelamos à abstenção. Exigimos que o nosso voto tenha uma influência real na nossa vida.

11. Hoje não estamos aqui para reclamar simplesmente o acesso a subsídios ou para protestar contra as insuficiências do mercado de trabalho. ESTE É UM ACONTECIMENTO. E, como tal, um evento capaz de abrir novos sentidos às nossas acções e discursos. Isto nasce da RAIVA. Mas a nossa RAIVA é imaginação, força, poder cidadão.”

Read Full Post »

%d bloggers like this: